A jornalista do NYT que desvenda o Estado Islâmico [Wired]

Rukmini Callimachi é a jornalista mais ‘fodona’ do New York Times e não é só por estar na empresa jornalística mais icônica do Ocidente: ela cobre as andanças e peripécias doentias do Estado Islâmico e acompanha todos os desdobramentos da ação do grupo pelo mundo. Essa excelente entrevista da Wired traz Callimachi por si mesma e não “só” no que ela faz no jornalismo. Continue...

Só ouvir o que quer vai te levar a duvidar até dos fatos [Poynter]

Estudos indicam que as redes sociais tiveram um forte impacto na discussão pública no mundo. Como os algoritmos tendem atender às preferências dos usuários, estes estão cada vez mais sendo expostos a opiniões semelhantes às dele e assim, impedindo a discussão que é a base da democracia. Essa matéria do Poynter Institute sugere que esse viés de confirmação está chegando ao ponto de as pessoas não acreditarem mais nem em #fatos comprovados, caso estes não estejam em sintonia com os próprios credos.

Reading lots of partisan news online makes you more likely to hold inaccurate beliefs even if you are aware of the prevailing evidence

Veja a história completa em:

 The more partisan your online media diet, the less likely you are to believe fact-checkers – Poynter Continue...

Extinção de vagas pode migrar dos jornais para as agências [Contently]

Nos últimos dez anos, or jornais começaram a cortar mais e mais vagas em função do digital, mas uma nova tendência – a produção de #native ads nas redações, pode fazer com que jornais voltem a contratar e as demissões venham a acontecer nas agências de #publicidade.

68% das redações nos EUA usam jornalistas para criar conteúdos para native ads.

A nova meta da notícia é encontrar o seu leitor

Houve um tempo, não muito distante, onde a modelação de conteúdo para uma publicação era mais simples: as matérias eram feitas segundo as convicções das redações e acontecimentos dos nichos abordados. As audiência iam atrás do que queriam ler. Mas isso acabou. A informação não segue mais o mesmo sentido nem obedece a formatos pré-estabelecidos. A produção de conteúdo ainda pode seguir padrões e critérios de qualidade, mas o mais importante é que ela consiga encontrar o seu leitor e não o inverso, que era o caminho anterior. Lidar com o novo ambiente é um desafio que ainda gera mais perguntas que respostas. Continue...

Ameaçada, indústria de notícias dá indícios de evolução

Nesta semana, em Londres, o evento News:Rewired reuniu profissionais da área para discutir o futuro: jornais,  notícias, mídias sociais e variantes. Infelizmente eu não pude ir, mas um brilhante wrap-up do evento foi feito por um colega de trabalho, Simon Garner, o Head of News do Yahoo no Reino Unido. E sim, as corporações batem cabeça, sim, a maioria dos jornais está cavando a própria cova e sim, a luta contra o processo digital é a típica reação do velho fadado a sucumbir ao novo. Mas apesar de tudo isso, tudo indica que perspectivas entusiasmantes estão surgindo para a indústria e a sociedade só pode comemorar. Continue...