Technology, and not the tech giants, is still the best chance for media to get subscribers back

Subscriptions, not ads nor social-generated windfall miracles seem to be, after all, the most credible way for journalism to regain solid ground. Hear no mermaid singing of trendy tech cornucopias: Even if still away from sustainability – let alone the fat margins of pre-digital – the consistent deployment of readers paying for journalism is the conducting wire behind some shimmering hope in a scorched earth media environment.…

Random thoughts on where journalism is going to

In the last decade or a little bit more, everything the world knew about communication proved to be wrong. Newspapers were brought down to Earth when they found out that the relevance they had was due to their monopolies of the distribution channels much more than from the quality of the “journalism” they produced.…

The stormy scenario may be the ordeal that journalism needs

“In a dark time, the eye begins to see”
Theodore Roethke

Every week, tech companies and their extensions announce the rollout of a new resource, something that will bring great benefits for society, something that will bring back lot revenues and relevance for publishers, something that journalists have long been waiting for and will return them to their role of caretakers of society and guardians of the democracy.…

“Fake News”, o filho bastardo psicótico do jornalismo

Quando, na madrugada de 9 de Novembro,  Donald Trump fez seu pronunciamento já como presidente eleito, a América liberal (e o mundo) sentiu um frio na espinha digno de filmes de terror. Trump, numa excitação quase histérica, anunciava a capitulação democrata após um longo e sangrento combate diante de uma sociedade atônita.…

A nova meta da notícia é encontrar o seu leitor

Houve um tempo, não muito distante, onde a modelação de conteúdo para uma publicação era mais simples: as matérias eram feitas segundo as convicções das redações e acontecimentos dos nichos abordados. As audiência iam atrás do que queriam ler. Mas isso acabou.…

Escala, a palavra de ordem do novo jornalismo

Os elementos usados na busca da melhoria da qualidade do jornalismo são basicamente os mesmos desde que ele apareceu na história pós-gutemberguiana. Modos de apuração, definição de fontes, os cinco W’s, isenção, ética, etc. Como já observei noutro post, nenhum deles perdeu a validade (embora alguns tenham mudado radicalmente).…

YouTube, o marco zero do novo direito autoral digital

Quando o Google começou a negociar para comprar o YouTube no começo de 2006, os media moguls de todo o mundo anunciavam que o gigante de busca estava para cometer seu primeiro grande erro. A avaliação do YouTube estava na casa da centena de milhões de dólares e o valor seria um mico para a empresa de Mountain View por conta do sem-número de processos que se seguiria à aquisição, com os detentores de tudo quanto é produto digital exigindo remuneração por conta do uso de conteúdos com direitos registrados.…