Wired comprometeu fonte do Wikileaks. E agora?

Em 2010, não houve nenhum acontecimento global que fosse tão inarrestável como o vórtice de informações abertas pelo Wikileaks, o whistleblower do australiano Julian Assange que revelou aos olhos do mundo como a diplomacia mundial é basicamente uma rede de mentiras e traições.…

Na Guerra da pirataria, quem é o pirata, afinal?

A batalha perdida da indústria de entretenimento contra o “inimigo” da pirataria teve um novo e sensacional capítulo com uma sentença na justiça americana isentando o site Hotfile de responsabilidade na “pirataria” feita pelos seus usuários. A justiça entendeu que o site (que é uma variante do mais famoso Rapidshare) não tem intenção no processo.…

Superskype ou Micosoft?

Um aparente axioma nas transações que envolvem megaempresas a caminho do dinossaurismo é a máxima do “nós sabemos como fazer”. Quando a NewsCorp de Rupert Murdoch comprou o MySpace há cinco anos, sabia o que fazer, claro. Trocou o CEO da empresa e trocou toda a board de diretores.…

Leitor, um colega de redação

Há algumas semanas, um evento realizado pela BBC, o BBC Social Media Summit (veja as palestras abaixo) , movimentou o meio jornalístico em Londres, contando com participantes da mídia tradicional como Guardian, Times e Dailt Telegraph para cobrir a reunião. A questão básica era o engajamento dos jornalistas com as redes sociais ou “com as pessoas que eram conhecidas como leitores.…

Redes sociais: uma ferramenta a mais para os jornalistas

“Essa história de leitor escrever querendo ter opinião é um saco. Ao leitor, deveria ser permitido somente escrever para dizer que gostou”. A opinião me foi dada por um luminar do jornalismo, um dos melhores textos que já conheci. Verdade, um profissional de outra época, mas jornalista na melhor acepção da palavra.…

De fornecedores a distribuidores de conteúdo

Raramente um setor da indústria – qualquer indústria – está preparado para mudanças que mexam no cerne de sua atividade. Por exemplo (citando o jornalista Paulo Markun), os copistas católicos pré-gutemberguianos dificilmente poderiam entender que a sua atividade não faria mais sentido com a invenção da prensa; fabricantes de artigos como máquinas de escrever, carburadores de motores a combustão e enceradeiras não conseguiam vislumbrar um mundo sem suas presenças; massagistas de times de futebol não imaginaram que a ciência traria novas formas de se evitar contusões.…