Google vai determinar a nova sintaxe da web

Como escrever a manchete de um artigo no seu blog? Até hoje, se o blog fosse só seu, provavelmente a resposta seria “como eu quiser”. A bem da  verdade, isso ainda é assim, mas se você quiser que alguém leia o que está escrito nele, tem de seguir o que diz esse oráculo moderno. Mais importante do que a qualidade do seu conteúdo, mais importante do que a quantidade de “likes”, mais importante do que o tamanho da sua comunidade numa rede social, é o seu posicionamento na busca do [[Google]]. A empresa americana se tornou onipotente na condição de dizer às pessoas onde está o que elas procuram. Exatamente por isso que o algoritmo do Google vai fazer o que todos os linguistas e professores de língua que fizeram reformas gramaticais sempre quiseram: vai determinar como as pessoas escrevem.

Talvez o usuário comum ainda não tenha notado (na verdade, raramente o cidadão comum se dá conta do que está passando ao seu redor. Como diria o unificador alemão Bismarck, “se as pessoas soubessem como se fazem as leis e as salsichas, nunca mais dormiriam”), mas os media generators mudaram radicalmente seu modo seu modo de escrever. Manchetes mais curtas, mais repletas de [[keywords]], e com essas keywords o mais próximas possível do começo da sentença, menção mais repetitiva das mesmas no primeiro parágrafo do texto. Em alguns anos, linguistas e gramáticos ao redor do mundo poderão ver a extensão da ingerência do Google no modo como nós escrevemos. E no modo como falamos? Haverá uma alteração? É provável, mas a resposta é impossível de ser dada agora.

Nos acostumamos no século XX a sermos cobaias de nós mesmos. Somente depois de quase duas décadas de intenso uso de telefonia celular é que a indústria admite que a radiação dos aparelhos (e das antenas) é cancerígena; fumamos durante décadas provocando taxas de câncer de pulmão altíssimas (mesmo sabendo que elas eram cancerígenas)  porque a indústria do tabaco pagava acadêmicos para trabalhar contra a sociedade. Agora, vamos ver que influência tem na língua uma empresa que detém um poder tão grande quando o atribuído ao [[Citizen Kane]] de Orson Welles.

As ingestões do Google são muito menos arriscadas do que as que envolvem a saúde e outros detalhes dos destinos da humanidade, mas ainda assim, são de dimensões astronômicas. Qual foi a influência que a campanha de Alexandre Magno teve nos costumes e língua dos povos helenizados? E qual a relevância que teve Roma na expansão do latim como língua-base da civilização ocidental? Nas mudanças que o Google está fazendo, tudo estará documentado. Em cache.

 

 

Cassiano Gobbet

I am a journalist, interested in everything related to the equation technology + communication.