NYT em processo de midiossaurização

Sabemos hoje que um cometa bateu na Terra, criou a era glacial e os dinossauros saíram de cena. Apesar de terem a seu dispor todo o dinheiro e poder possível, um novo tipo de dinossauros, os mídiossauros, estão rumando para o mesmo fim. Um novo sintoma do fim dos mídiossauros é a brilhante medida do NYT em fechar o acesso de seu conteúdo aos usuários que o faziam através do Safari via iPad. Sorte dos arqueologistas digitais, que podem documentar todo o processo in loco.

A jornalista Staci Kramer, do paidcontent.com, resumiu bem o modo como o midiossauro não está notando o rato roendo sua canela. “Alguém deve ter achado uma grande ideia fechar o conteúdo via iPad para forçar a venda do app do NYT. Só não se tocaram de que soa mais como “por favor, procure outras opções”. Kramer tem razão, mas nem é uma conclusão brilhante. É a conclusão de quem não tem cegueira completa. Vale dizer, é a mesma cegueira que outras publicações fizeram com paywalls e outros métodos de cobrança cash.

O trunfo do NYT sempre foi a qualidade de seu material. É por isso que as pessoas sempre preferiram seu conteúdo ao da concorrência. O shift tecnológico digital não deveria ter mudado isso – enão mudou. Comparado com a maioria dos jornais do mundo, o NYT ainda tem o maior número de bons jornalistas e o melhor conteúdo. A burrice murdochiana (que assola muitos outros midiossauros, como o NYT) está na incapacidade de diagnosticar onde está o problema para sua perda de receita e verificar soluções.

Não há um problema criado pela tecnologia, apenas uma mudança causada por ela, que naturalmente gera consequências tanto práticas quanto econômicas para as empresas. A perda de receitas de vendas diretas do material impresso têm de ser compensadas pela criação de novas formas de receitas através de entregas alternativas, receitas essas viabilizadas com a mesma tecnologia. Aí entra em campo a criatividade a disposição de se rinventar que raramente um líder de mercado tem. É por isso que os líderes de mercado são substituídos.

O processo por trás da lógica da News Corp (e do NYT) é o mesmo em quase todos os media outlets do mundo, preocupados em cobrar dinheiro do Google, mas felizes em poder aproveitar as vantagens tecnológicas que permitiram economias avassaladoras com gestão de materiais, produção, entrega, vendas, etc. O atual modelo está saturado e certamente não são marqueteiros que irão bolar um novo. Gestores de conteúdo existem desde o início da civilização e não vão desaparecer. O engajamento deles no processo de reestruturação de vendas é a única saída para os midiossauros, mas como se sabe, eles são geneticamente programados para um meio-ambiente em particular, que está desaparecendo. É a história em curso.